segunda-feira, 27 de abril de 2015

SÃO PEDRO DO TURVO - HISTÓRIA ILUSTRADA DO MUNICÍPIO

APRESENTAÇÃO

      Minha família morava em um sitio no bairro chamado Cabeceira Bonita, na divisa entre os municípios de São Pedro do Turvo e Campos Novos Paulista. Lá existia uma escola mista na qual cursei a primeira e a segunda série primária, isto nos anos de 1949 e 1950..
      Em 1951 minha mãe matriculou-me na terceira série no grupo escolar em São Pedro do Turvo. Meu professor era o Sr. Ananias. Morei com tios de minha mãe: Tia Chica Galdino e os filhos: Antonio, Alcides, Malvina e Otacílio.
Moravam na saída para Santa Cruz do Rio Pardo e tinham um pequeno sítio de onde tiravam o sustento. Bem próximo deles existia uma fábrica de laticínios.
      Pessoas de que me lembro na cidade: Sebastião Coelho, Alcindo Chaves e Dr. Martins (políticos). Padre Marcílio, pároco da cidade, Tadashi, comerciante.
      Nessa época eu já possuía iniciação política apesar de ter apenas dez anos: Sabia fatos da História do Brasil, principalmente sobre Getúlio Vargas, Lucas Nogueira Garcez, Adhemar de Barros, Brigadeiro Eduardo Gomes, Prestes Maia, Hugo Borghi e outros que participaram das eleições em outubro de 1950.
      Tenho muita saudade daqueles tempos e uma forma de agradecer à cidade e ao seu povo é fazendo isto: postando sua História no meu blog.


HISTÓRIA DO MUNICÍPIO


 

"Em 1851, procedentes de Alfenas-MG, a família de José Teodoro de Souza, e outras, atingiram a região do Paranapanema, junto ao rio Turvo, ali se estabelecendo. A povoação teve início com a construção de uma capela em homenagem a São João Batista, nas terras compreendidas entre dois córregos, que denominaram de São João, o maior, e São Pedro.
Formado o povoado, João Teodoro de Souza, proprietário de vasto latifúndio, doou um quarto de légua de terras do patrimônio, onde foi criado, anos depois a freguesia de São Pedro dos Campos Novos do Turvo.
A economia local desenvolveu-se através da comercialização dos produtos destinados aos habitantes do Bairro Paranapanema.
Por volta de 1876 estabeleceu-se o comerciante Português José Ferreira da Silva, influente político, que obteve a emancipação político-administrativa da antiga freguesia, elevando-a à condição de Município, com o nome de São Pedro do Turvo.

FORMAÇÃO ADMINISTRATIVA

Distrito criado com denominação de São Pedro de Campos Novos do Turvo por Lei Provincial nº 4, de 5 de julho de 1875; transferido do Município de Lençóis para o de Santa Cruz do Rio Pardo por Lei Provincial n.º 6, de 24 de fevereiro de 1876.
Elevado à categoria de Município com a denominação de São Pedro do Turvo por Decreto-lei Estadual nº 181, de 29 de maio de 1891, desmembrado de Santa Cruz do Rio Pardo. Constituído do Distrito sede, São Pedro de Campos novos do Turvo.
Cidade por Lei Estadual nº 1038, de 19 de dezembro de 1906.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o Município se denomina São Pedro do Turvo e se compõe de 1 só Distrito, São Pedro do Turvo.
Lei Estadual nº 2228, de 26 de novembro de 1928 incorpora o Distrito de Caçador ao Município de São Pedro do Turvo.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o Município de São Pedro do Turvo se compõe de 2 Distritos: São Pedro do Turvo e Caçador.
Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, bem como no quadro anexo ao Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o Município de São Pedro do Turvo pertence ao termo judiciário de Santa Cruz do Rio Pardo, da comarca de Santa Cruz do Rio Pardo, e se divide em 2 Distritos: São Pedro do Turvo e Caçador.
No quadro fixado, pelo Decreto Estadual nº 9775, de 30 de novembro de 1938, para 1939-1943, o Município de São Pedro do Turvo é composto dos Distritos de São Pedro do Turvo e Caçador.
Em virtude do Decreto-lei Estadual nº 14334, de 30 de novembro de 1944, que fixou o quadro territorial para vigorar em 1945-1948, o Município de São Pedro do Turvo ficou composto dos Distritos de São Pedro do Turvo e Ubirajara ex-Caçador, comarca de Santa Cruz do Rio Pardo.
No quadro fixado para vigorar em 1949-53, o Município de São Pedro do Turvo figura apenas com 1 Distrito, São Pedro do Turvo.
Lei Estadual nº 233, de 24 de dezembro de 1948, desmembra do Município de São Pedro do Turvo o Distrito de Ubirajara ex-Caçador.
Assim permanece o quadro fixado pela Lei Estadual nº 2456,de 30-XII-1953 para o período 1954-58, o Município de São Pedro do Turvo se compõe de 1 Distrito, São Pedro do Turvo.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 01-VII-1960.
GENTÍLICO: SÃO-PEDRENSE"



INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO




Dados Gerais



NomeSão Pedro do Turvo
Região AdministrativaMarília
Região de GovernoOurinhos
Aniversário29 de maio
Santo PadroeiroSão Pedro
GentílicoSão-Pedrense
PrefeitoRoberto Carlos Di Bastiani
Vice PrefeitoLuiz Cláudio da Cunha
Presidente de CâmaraEdson Luiz de Souza


Território e População  Ano   Município
Área (Em km2)2010731,02
População20107.208
Densidade Demográfica (Habitantes/km2)20109,86
Taxa Geométrica de Crescimento Anual da População - 2000/2010 (Em % a.a.)20100,36




ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL (Atualizado)

Poder Executivo:


José Carlos Damasceno
Prefeito

Poder Legislativo:
(Vereadores)

Bruno Henrique Machado
Presidente da Câmara


Alan Araujo Tavares


Antonio Carlos Léo Padilha


Antonio Joaquim Scarpim


Edson Ferreira de Araújo


Leandro Aparecido Lealdine


Luiz Carlos Gabriel


Maria Elisabete Pedron


Roberto Araujo Andrade

Fonte: http://www.camaraspturvo.sp.gov.br/



ALGUMAS PERSONALIDADES NASCIDAS NA CIDADE



Geraldino Damasceno: Com laços de parentesco por parte de meu avô paterno. Vai transcrito texto a respeito dele - falecido recentemente.


"Morreu na madrugada desta sexta-feira, 29/09/2012, aos 80 anos, na região metropolitana de Curitiba, o ex-jogador, treinador e supervisor de futebol do Atlético-PR, Geraldino Damasceno. O corpo do ex-jogador, que sofria de diversos problemas de saúde, será velado no Cemitério Jardim da Saudade, em Pinhais-PR.

Geraldino, como era conhecido, era um personagem importante da história do futebol paranaense. Não apenas por ter feito parte como jogador da equipe do Atlético que conquistou o título estadual de 1958 como por sua atuação como treinador que lhe rendeu quatro conquistas no Estado (Ferroviário em 1965 e 66, Água Verde em 1967 e Atlético em 1982). Também dirigiu Coritiba, Colorado, Pinheiros, Figueirense, Juventude e Joinville.

O ex-atleta morava em Curitiba, onde era aposentado como funcionário do ministério da Fazenda. Ocupou, durante muitos anos, a função de fiscal de rendas. Era casado pelasegunda vez e tinha seis filhos.

Nascido em São Pedro do Turvo, interior paulista, em 17/11/1937, foi um meia de grande habilidade que começou a atuar no Santacruzense, de Santa Cruz do Rio Pardo-SP. Passou depois por São Bento de Marília, Botafogo (RJ), Esportiva de Jacarezinho, Ferroviário (PR), e Atlético Paranaense, clube em que encerrou a carreira devido a uma contusão no menisco. Após duas cirurgias, desistiu da bola" 

Transcrito de: .
 http://terceirotempo.bol.uol.com.br/futebol/times/atletico-pr/noticias/2012/06/morre-ex-meia-e-treinador-que-marcou-epoca-no-atletico-pr-68930.html

  

- Raul Marcelo de Souza:

Raul Marcelo de Souza (São Pedro do Turvo31 de maio de 1979) é um político brasileiro. Em 2006 foi eleitodeputado estadual no estado de São Paulo pelo Partido Socialismo e Liberdade.

TRAJETÓRIA

Sua vida política teve início na Juventude Operária Católica e também no movimento estudantil, principalmente na FATEC e no curso de letras da Universidade de Sorocaba.[1]
Em 2001Raul Marcelo assumiu seu primeiro mandato como vereador da cidade de Sorocaba, no interior de São Paulo. Foi o vereador mais jovem da história da cidade (21 anos). Em 2004 foi reeleito ao cargo, sendo o vereador mais votado cidade.[1][2][3]
Como vereador, foi autor da lei da transparência pública (nº 7.357/95) e da lei que institui feriado municipal no dia da consciência negra (nº 8.120/97). Também presidiu a Comissão de Direitos Humanos e a Comissão Parlamentar em Defesa do Desarmamento da Câmara Municipal.[1]
Até então fazia parte do Partido dos Trabalhadores (PT), do qual se desligou em 2005, filiando-se ao PSOL. Pelo novo partido, foi eleito deputado estadual em 2006, com 35.670 votos.[2]
Em 2008 se lançou como candidato à prefeitura de Sorocaba e foi votado por cerca de 24.260 eleitores (7,95% dos votos), ficando na terceira posição.[2]
Nas eleições de 2010, com 56.607 votos, não conseguiu a reeleição ao cargo de deputado estadual.[2]
Sua atuação parlamentar é voltada ao setor de educação entre outros, como reforma agrária, direitos humanos e outras causas ligadas aos movimentos sociais."
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Raul_Marcelo


ACERVO FOTOGRÁFICO






 







  




 



 



 








































Fonte:


http://pt.cityguide.diamscity.com/guia-brasil/fotos-sao-pedro-

do-turvo,cityguide_p,123124569X00 

http://pt.cityguide.diamscity.com/guia-brasil/fotos-sao-pedro-

do-turvo,cityguide_p,123124569X00




SOBRE O AUTOR



Wilson do Carmo Ribeiro, nascido em Campos Novos Paulista em 16-07-1941 é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante. É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba. É detentor do título de Cidadão Aluminense.







sexta-feira, 24 de abril de 2015

CAMPOS NOVOS PAULISTA - HISTÓRIA ILUSTRADA DO MUNICÍPIO

Nasci em um sitio na divisa dos municípios de Campos Novos Paulista e São Pedro do Turvo, micro região de Ourinhos, interior de São Paulo. Lá estudei na escolinha rural do bairro, onde só haviam as duas primeiras séries do antigo primário. O nome da escola: Escola Mista Rural do Bairro Cabeceira Bonita. Minha primeira professora em 1949 foi dona Julia.
O sitio tinha dez alqueires e pertencia a três irmãos: meu pai, Durvalino e aos meus tios Laurindo e Antonio. Depois de muitos anos que nos mudamos de lá, uma das maiores rodovias do país passou na cabeceira do sitio: a Transbrasiliana, BR - 153.


ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO



Campos Novos Paulista é uma estância turística servida pela BR-153 (Rodovia Transbrasiliana), que tem um clima privilegiado. É minha terra natal e tenho maravilhosas lembranças de minha infância ligadas à essa cidade que fica a meio caminho entre Ourinhos e Marília, duas importantes cidades de nosso interior.
Um tio de meu pai, de nome Joaquim dos Santos possuía uma chácara na cidade nos anos quarenta. Tinha um pomar de cítricos muito bonito, onde prevaleciam as laranjas baianas. Possuía ainda um moinho de milho movido pela queda da água. Próximo da casa dele, a usina termoelétrica que produzia energia elétrica para a cidade. Ela funcionava das dezoito horas às seis da manhã.
Lembro-me de algumas pessoas daqueles tempos: Dengo, farmacêutico dedicado; Joaquim de Matos, comerciante, proprietário da Casa Verde (Tecidos e Armarinhos) e João Fogueteiro. Aliás, meu tio Laurindo depois de vender seu sítio na Cabeceira Bonita, comprou a chácara do Fogueteiro, quase em frente ao cemitério, onde está sepultado meu avô paterno Joaquim Antonio Ribeiro, o Florenção. Meu avô trabalhou na abertura da Estrada de Ferro Sorocabana entre as cidades de Ourinhos e Piquerobi


 Da esquerda para a direita: Meu avô Joaquim Antonio
Ribeiro, o Florenção, o filho dele Laurindo e a esposa
Orides que moraram muitos anos em Campos Novos na 
chácara que foi do Sr. João "Fogueteiro" 
 (defronte ao cemitério).



HISTÓRIA






Por volta de 1852, José Teodoro de Souza, mineiro de Pouso Alegre, acompanhado de família e amigos, chegou à região, onde construiu diversas casas e iniciou as primeiras plantações.
Em 1856, requereu às autoridades de Botucatu a posse das terras, onde construiu uma capela invocando São José, às margens do rio Novo (afluente do rio Paranapanema).
O patrimônio de São José do Rio Novo continuou habitado, por algum tempo somente por seus iniciadores. Os índios hostis da região aos poucos foram sendo afugentados e novos povoadores foram se fixando nas terras locais.
A povoação foi elevada a Distrito de Paz, em 1880, no Município de Santa Cruz do Rio Pardo, com o nome de Campos Novos e, em 1885, emancipou-se, construindo o Município de Campos Novos do Paranapanema. Foi ainda elevado à comarca em 1892, posteriormente transferida para Assis.
Em 1944, com a elevação a Município dos Distritos de grande concentração demográfica, o Governo Estadual houve por bem, cassar a autonomia dos Municípios de menor densidade demográfica. Assim o Município foi extinto sendo o Distrito subordinado a Ibirarema, adotando, através da mesma Lei, o nome de Nuretama.
Quatro anos depois, o Município foi restabelecido, desta vez com o nome de Campos Novos Paulista.
FORMAÇÃO ADMINISTRATIVA
Distrito criado com a denominação de Campos Novos do Paranapanema, por Lei provincial no 62, de 13 de abril de 1880, no Município de Santa Cruz do Rio Pardo.
Elevado a categoria de Município com a denominação de Campos Novos do Paranapanema, por Lei Provincial nº 25 de 10 de março de 1885, desmembrado de Santa Cruz do Rio Pardo. Constituído do Distrito sede.
Cidade por Lei Estadual nº 1038, de 19 de dezembro de 1906.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o Município de Campos Novos do Paranapanema se compõe de 2 Distritos: Campos Novos do Paranapanema e Platina.
Lei no 1478 de 24 de novembro de 1915, desmembra do Município de Campos Novos Paranapanema, o Distrito de Platina.
Lei no 1828, de 21 de dezembro de 1921, o município a denominar-se Campos Novos.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o Município de Campos Novos se compõe de 4 Distritos: Campos Novos, Catequese, Lutécia e Vila Fortuna.
Decreto no 6617, de 21 de agosto de 1934, cria o Distrito de Casa Grande, incorpora ao Município de Campos Novos.
Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, bem como no quadro anexo ao Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o Município de Campos Novos pertence ao termo judiciário de Assis, da comarca de Assis, e se divide em 5 Distritos: Campos Novos, Casa Grande, Catequese, Lutécia e Vila Fortuna.
Decreto-Lei Estadual no 9775, de 30 de novembro de 1938. Reconduz o Município de Campos Novos a categoria de Distrito, incorporando-o ao Município Echaporã (Ex-Bela Vista).
Decreto-Lei no 9775, de 30 de novembro de 1938 extingue o Distrito de Catequese. Em 1939-1943, Campos Novos Paulista figura como Distrito do Município de Bela Vista.
Decreto-Lei no 14334, de 30 de novembro de 1944, desmembra do Município de Echaporã o Distrito de Ocauçu (ex-Casa Grande) indo seu território pertencer ao Município de Marília.
Decreto-Lei no 14334, de 30 de novembro de 1944 desmembra do Município de Echaporã. Distrito de Lutécia.
Decreto-Lei no 14334, de 30 novembro de 1944. Desmembra do Município de Echaporã (ex-Bela Vista). O Distrito de Amarris (Ex-Fortuna) (Ex-Vila Fortuna).
Decreto-Lei Estadual nº 14334, transfere o Distrito de Campos Novos do Município Echaporã para o Município de Ibirarema, (Ex-Pau d'Alho) com a denominação de Nuretama.
Elevado novamente à categoria de Município, com a denominação de Campos Novos Paulista, por Lei nº 233, de 24 de dezembro de 1948, desmembrado de Ibirarema.
Constituído do Distrito sede, Campos Novos Paulista (Ex-Nuretama). Sua instalação verificou-se, no dia 01 de janeiro de 1949.
Em divisão territorial datada de 01-VII-1960, o município é constituído do Distrito Sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1997.
ALTERAÇÕES TOPONÍMICAS MUNICIPAIS
Campos Novos do Paranapanema para Campos Novos, teve sua denominação alterada, por força da Lei nº 1828, de 21 de dezembro de 1921.
Campos Novos para Campos Novos Paulista, teve sua denominação alterada, por força da Lei Estadual nº 233, de 24 de Dezembro de 1948
.”

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO


Pequeno Histórico sobre os habitantes:  


Em 1888, mais ou menos 12.881, em 1891, mais ou menos 26.000 (recenseamento de 1890 {Livro nº 29, arquivo Câmara Municipal de Echaporã} e {final do livro nº 3 da revista de história. São Paulo, UNESP, 1984-p.69a96}.

Segundo Adriano Campanhole em história da Fundação de Assis, em 1872 a população do Vale do Paranapanema era de 57.406 habitantes, em 1886, de 89.840. {Editora Gráfica Latina, 1985-p.98}.

De 1890 a 1914, Campos Novos ficou famoso e conhecido no Brasil e no exterior, sendo suas ruas frequentadas por doutores vindos de todas as partes. Chegou a ser a maior Comarca do Estado de São Paulo com julgamentos famosos de divisão de terras. Residiam aqui em 1908: 05 advogados; 01 engenheiro civil; 03 agrimensores; 02 dentistas, 01 fotógrafo {confirmar} livro 93, Prefeitura Municipal de Campos Novos do Paranapanema. Ano de 1908 residiam grandes homens do mundo da cultura como Olavo A. Hummel, Otto Meusser e Bruno Giovanetti. Circulava também jornais "Folha de Campos Novos" "O Paranapanema" JAT-p.23.

No início da história, meados do século XIX, com o desaparecimento da escravidão, o governo provincial já havia partido para o trabalho assalariado, na dificuldade de encontrar brasileiros, foi se procurar no exterior, ex: Itália, foi o país que mais enviou imigrantes para Campos Novos, famílias Mayo, Bonini, Giovanetti e Bertoncini. JAT-p.24  

(http://www.camposnovospaulista.sp.gov.br/a_cidade/locais.asp?cat=5)

Dados Gerais:


Mais antiga cidade do Sertão do Paranapanema, no oeste do estado, Campos Novos Paulista aposta hoje em seus atrativos naturais: clima ameno e muita área verde, com rios e cachoeiras. Há diversos sítios com boa estrutura para o turismo. Uma dessas propriedades, a Gersinho’s World, tem piscina de água corrente e toboágua. O lago municipal é outro ponto de destaque. E para quem quer agito, vale visitar a estância no primeiro semestre, época em que acontecem os principais eventos: em janeiro, quando várias quermesses animam as ruas na festa de São Sebastião, e em março, mês de aniversário da cidade, comemorado com muito rodeio. (http://www.camposnovospaulista.sp.gov.br/a_cidade/p_dados_gerais.asp)



ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL


PODER EXECUTIVO:


Verônica Bertoncini de Moraes 
Franco (Prefeita)


Fonte: http://www.eleicoes2012.info/veronica-do-tinho-15/



PODER LEGISLATIVO: (Vereadores)


José Donizete Barreto
(Presidente)


Alexandre dos Santos Soares


André Luiz Ferreira da Silva


Benedito Geraldo Machado


Éder Jones Silva de Mello


Edna Conceição de Lima Souza


Edson José Firmino


Luciano José Fontainha


Marcos Ferreira da Silva

Fonte: http://www.cmcamposnovos.sp.gov.br/index2.php?pag=T1RjPU9EZz1PVFU9T0dFPU9EWT1PR0k9T1RZPU9XST0=&&idver=17&&idleg=3





ACERVO FOTOGRÁFICO


Brasão do Município de Campos Novos Paulista


 Bandeira do Município de Campos Novos Paulista



Praça Sagrado Coração de Jesus





 













































 Túmulo do  fundador da cidade

Fontehttp://www.camposnovospaulista.sp.gov.br/a_cidade/galeria_detalhes.asp?id=7

http://www.panoramio.com/photo/12294541


 
 Marolo: fruta símbolo da cidade


 OBSERVAÇÃO


A primeira versão desta matéria está inclusa em outra maior, publicada no Blog do Ribeiro, a qual tem como título: De Campos Novos a Sorocaba - Terras por Onde Andei
Link: http://wilson-ribeiro.blogspot.com.br/2012/10/campos-novos-sorocaba-terras-por-onde.html



SOBRE O AUTOR



Wilson do Carmo Ribeiro, nascido em Campos Novos Paulista em 16-07-1941 é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante. É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba. É detentor do título de Cidadão Aluminense.