domingo, 24 de janeiro de 2016

CONVERSANDO COM "SEO" ERNESTO



APRESENTAÇÃO
         Ex moradores da localidade de Alumínio, SP, que se tornou distrito em 1980 e município em 1992 criaram na rede social Facebook um grupo ao qual foi dado o nome de Amigos Antigos de Alumínio. Na sua grande maioria, são pessoas que trabalharam na Cia. Brasileira de Alumínio e, depois da aposentadoria do chefe de família foram morar em outras localidades.
         Dentre estes ex- trabalhadores na CBA está o Sr. Ernesto Nunes, hoje com mais de noventa anos, morador na vizinha cidade de Mairinque, onde vive ao lado da esposa dona Malvina e cercado pelo carinho dos filhos, netos e bisnetos, além do grande número de amigos granjeados ao longo da sua preciosa existência.
         Dentro do espírito lançado pela coordenação do Grupo Amigos Antigos de Alumínio, decidimos fazer uma resenha da vida de seu Ernesto e para isso convidamos a filha dele a Nádia Pires para que o entrevistasse. Ela o fez com muito carinho e o resultado desse trabalho é o que você verá em seguida.

SEU ERNESTO – MEMÓRIA DE FAZER INVEJA, FORNECEU AS INFORMAÇÕES Á FILHA NÁDIA
ORIGEM
Ernesto Nunes nasceu em 10/12/1925. Dona Olária foi a parteira na localidade de Paiol Velho - Bairro do Carafá, até então Comarca de Ibiúna.
Seu pai Sr. Raimundo Nunes faleceu em 1957, provavelmente de câncer e sua mãe senhora Durvalina Nunes faleceu em 1983 vitimada por um acidente vascular cerebral.
Foram seus avós paternos: Joaquim Marques Nunes, que- morreu em 1937 com 83 anos e dona  Benedita Marques Nunes falecida em 1936 de tuberculose. Seus avós maternos foram Paulo Henrique Mariano, falecido em 1938 de maleita e dona Gertrudes Mariano finada em 1925.
A FAMÍLIA
Ernesto cursou o Mobral em Sorocaba. Ele teve oito irmãos: Zulmira, nascida  em 1920 e falecida em 2006 de AVC); Benedita nascida em 1923 e falecida em 1938 (febre amarela); José ( 1938 - 1940), Luciano (1941-1941), Conceição Pontes (1928 -2013),Daurizia (1931- 2010- AVC), Lázaro  (1938 - 2014 e Bercy (1942-2013).
Ele passou a infância no sitio Paiol Velho. Foi uma fase muito sofrida, sem escola, sem medico. Produzia carvão com o pai. A mãe trabalhava na lavoura com o espanhol José Peres iniciando essa atividade aos dez anos e com quatorze foi para Sorocaba trabalhar na Carvoaria com o Sr. Mario Geminiani (italiano) e sua esposa espanhola a qual ele os conheceu trabalhando no corte de lenha.
A esposa Malvina ele a conheceu desde criança no pequeno bairro rural onde suas famílias moravam.
Malvina nasceu em 09/01/1931 no bairro Carafá, Paiol Velho, Comarca de Ibiúna. Era filha de Hilário Bueno e Rosalina Bueno. Teve sete irmãos: Benedito, Pedro, Armando, Adelaide, Marciano, todos falecidos, Maria e Nelson.
Ela teve uma infância boa e trabalhou desde criança. Estudou, fazendo o curso do MOBRAL na Igreja Presbiteriana de Alumínio.
O CASAMENTO
 Ernesto e Malvina se casaram no Cartório em Mairinque em 04/06/1949 e no mesmo dia na Igreja São José em Mairinque. Foi um casamento simples só com a presença dos padrinhos: Benedito Bueno e Euclides Antonio Batista. Casaram e foram tomar um lanche (tubaína e pão com mortadela) no bar do seu Olvidio.
Numa vida simples, porém feliz, Ernesto e Malvina foram agraciados com a chegada dos filhos maravilhosos:
1- Neusa Benedita Nunes Ferreira nasceu aos 08-12-1951 em Alumínio e é casada com José Assunção Ferreira. A parteira foi a saudosa senhora Benedita Furquim Dias.
Dessa união nasceram três filhos:
- José Eduardo Ferreira casado com Maria Rita Ferreira (bisnetos - João Vitor e Enzo Gabriel);
- Débora Aparecida Ferreira (falecida 11-01-2014- vitimada por um atropelamento). Bisnetos - Vinicius e Isabeli);
- Fernando Henrique Ferreira casado com Lia Mara Ferreira.
2 - Raimundo Nunes - nasceu em 1954 ( falecido - Mal de simioto - doença do macaco como falavam.
 3 - Ida Nunes - nasceu em 1955 ( falecida)
4 -  Nadia Nunes Pires - nasceu 19-11-60 em Alumínio é casada com Luiz Carlos Pires. (a parteira foi dona Benedita Furquim Dias).
Dessa união nasceram dois filhos: Daniele Nunes Pires casada com Luiz Carlos Pereira. Netos - Lucas Pires Pereira e Ricardo Henrique Nunes Pires;
5 - Miguel Arcanjo Nunes - nasceu em 29-09-1965 no Hospital Maria Regina em Alumínio. O nome do menino foi escolhido por uma das religiosas Capuchinhas que trabalhavam no hospital.
6 - Kátia Regina Nunes -  nasceu em 19-01-1968 no Hospital Maria Regina em Alumínio. Nome escolhido por dona Amélia Ceretta. É mãe de Mauricio Ernesto Nunes Travassos, casado com Natalia Nakay Travassos.
A VIDA NA LOCALIDADE DE ALUMÍNIO  
 Ernesto mudou para Alumínio em novembro de 1948. Não havia quase nada, só a CBA (fabrica de cimento e cal). Tinha setenta casas para os funcionários e o comércio da família Cerioni. Havia o cinema, mas não tinha ainda o hospital. Havia a Igreja São Francisco de Paula, o Grupo Escolar Comendador Rodovalho, a Igreja Presbiteriana e a Congregação Cristã  no Brasil.
Em 07-01-1949 Ernesto foi admitido na CBA como ajudante de caminhão. Ficou três anos como ajudante, pedreiro e ajudante do motorista Sr. Orlando Silva. Em 1953 tornou-se motorista. Faltou um motorista para ir para São Paulo e o Sr. Orlando indicou-o ao Dr. Vale que era diretor na época e Ernesto passou a motorista e trabalhou até 1990, mesmo aposentado desde 1981. De motorista de caminhão passou a trabalhar como motorista de ônibus que a fábrica utilizava para o transporte de funcionários que moravam em cidades vizinhas.
MEMÓRIA PRIVILEGIADA
E a filha Nádia continua falando sobre seu pai:Aqui escrevo algumas conversas que tivemos e fui anotando. Isso já faz algum tempo. Um sonho que comecei e pretendo terminar falando sobre meu pai. Ele tem uma memória admirável, principalmente com datas, sabe data de nascimentos e mortes. Minha mãe já não lembra nem de datas e acontecimentos. Vou colocar alguns trechos sobre nossas conversas. O senhor vai verificar que não ha uma sequencia, pois fui escrevendo conforme suas memórias apareciam.
- Antes dos quatorze anos a alimentação era feijão e farinha. O arroz era só no domingo, com frango. Café com farinha, a roupa era feita pela mãe com saco de farinha de trigo ou fubá, não tinha calçado. Os cabelos eram cortados pelo pai.
Quando criança, ia para Brigadeiro Tobias com o pai participar da Missa. As orações, terços e rosários eram feitos nas casas. Em junho havia no Carafá a Festa de São João Batista, organizada pelo avô do sogro Hilário, tradição que foi continuada por Hilário e hoje é feito pelo cunhado Nelson e Iolanda no Bairro do Itararé.
- Indo morar em Sorocaba teve uma vida melhor: Comida, cama, trabalhou numa lenhadora entregando lenha e carvão na época de guerra. Chegava a ficar dois a três meses sem ver os pais. A lenhadora era localizada na Rua Ubaldino do Amaral, centro de Sorocaba, atrás da Rua 15 de novembro. As entregas eram feitas com carroça puxada por burro.
- Já existiam a fábricas de tecidos Cia Nacional de Estamparia, a Santo Antonio a Santa Maria, a Santa Rosália, a Fonseca e a Votorantim desde 1903.
- Até 1957 existia bonde em Sorocaba. Ernesto entregava lenha nas olarias e padarias (a Padaria Gonçalo, ficava na Avenida Cel. Nogueira Padilha.)
- Antes dos 14 anos dormia na esteira, só com lençol e cobertor corta febre (é assim que ele o chama), que valia na época 5 mil reis. Em Sorocaba cama e colchão de capim com cobertor melhor. Alimentação melhor, manteiga na lata de 9 litros e muita carne de porco. No final do ano o Sr. Geminiani comprava 10 kg de avelãs, castanha de caju, castanha do Pará, uvas passas e presenteava seus empregados.
-Em 1940 existiam os cinemas Eldorado, Caracante, São José, e Líder. Leandro e Ernesto iam comer pipoca Os filmes eram mudos. Frequentava os circos que vinham a Sorocaba e que ficavam na Praça das Bandeiras, Largo São Bento e embaixo da ponte do Rio Sorocaba.
- Os sapatos tinham que ser muito bem engraxados.
- Morou com a família Geminiani durante nove anos. Saiu em 1948 e voltou para casa de seus pais, pois o patrão não queria registrá-lo. Trabalhou dois meses na Fazendo no Carafá e em novembro de 1948 veio para Alumínio.
- Até os 14 anos tinha só a certidão de nascimento. Em Sorocaba tirou a Carteira de Trabalho e a de Saúde, emitidas no Posto defronte ao local em que veio a ser construída a Estação Rodoviária.
- Getulio Vargas comandava o país. Ele entrou em 1932 e saiu em 1945. Quando Ernesto fez 18 anos era o tempo de guerra. Não foi sorteado, mas em 1946 se apresentou em São Paulo por obrigação e foi morar por 9 meses no quartel. Deu baixa e voltou para São Roque onde tirou o Certificado de Reservista.
- Nesses 9 meses foi dispensado mas aguardava no vagão a chegada do trem. Como o trem não aparecia tinha que voltar para o quartel e assim por muito tempo.
- Como já foi dito, conheceu a Malvina desde criança, ela com 11 anos em 1942.
- Em 07/02/1949 foi fichado na obra de construção do Grupo Escolar Comendador  Rodovalho como Servente Geral, e sua chapa era 57, vindo morar com a irmã Conceição Pontes e o cunhado Severiano Pontes, na Barra Funda (Vila Industrial), na casa nº 37. Trabalhou com o Encarregado Mario Lourenço, José Mariano e o Chefe geral era João Galli. Faziam tijolo comum. A olaria era no “Bate-Bunda”, onde é agora a CBPO, bairro do Briquituba. Trabalhava das 7 as 16h e levava marmita com a refeição.
- Em 1949, já registrado, casou com Malvina, ela com 17 anos e ele com 19. A Malvina veio de charrete do Carafá e ele de trem. O padrinho dele, Euclides Antonio Batista e dela Benedito Bueno. Casaram no Cartório às 16 horas e as 17 na Igreja, celebrando o enlace,  Dom Abade, pároco de Mairinque. Não havia convidados. Ele com terno de casimira Aurora e sapato Anabelo e ela de vestido branco feito de crepe costurado pela irmã Adelaide e sandálias brancas.
- Saíram da Igreja e comemoraram o casamento no bar do Sr.Ovidio em frente a praça da matriz com lanche de mortadela, tubaína e vinho. A lua de mel foi na casa do sogro Sr.Hilário. Na quarta feira vieram de caminhão com a mudança e ficaram na casa da irmã Conceição.
- Morou com a irmã durante dois anos depois de casados e mudaram-se para a residência da cunhada Adelaide e Manoel Nunes na Rua Álvaro de Menezes onde a casa era maior. A casa de Severiano e Conceição nessa época estava no nome do Ernesto como responsável, mas deixou para irmã e mudou-se para melhor acomodação.
- O diretor do Grupo Escolar Comendador Rodovalho na época era o Dr. Soares.
A VIDA EM ALUMÍNIO
Nadia Pires continua sua narrativa a respeito dos pais recém-casados, agora com enfoque na vida deles na localidade de Alumínio:
 A casa dos cunhados Manoel e Adelaide era bem grande, com porão, aonde mais tarde veio morar a mãe Durvalina, em 1957. As duas famílias dividiam as despesas e nunca houve discussões.
Lá na olaria, faziam uma média de 1.500 tijolos por dia, sendo todo o trabalho manual. Da vila onde moravam, vinham a pé até o local de trabalho e quando ficavam doentes também iam a pé até a Santa Casa de São Roque.
 Os alimentos eram comprados no estabelecimento do Sr. José Cerioni que possuía uma venda no local aonde veio a ser instalada a Vila Santa Luzia.
Em 1951 Ernesto Nunes passou ser ajudante de caminhão na CBA que transportava materiais de Alumínio para São Paulo. Saía às 4 horas da manhã e chegava por volta da meia noite.
Nessa época a estrada ainda era de terra e transportavam sulfato e cal para a cidade inteira de São Paulo, materiais que eram utilizados no tratamento de água e construção.  Esses materiais eram produzidos no Rodovalho, nome antigo da localidade de Alumínio.
Em 1947 recomeça a CBA. Após o Dr. Soares, veio o Dr. Vale, depois Dr. Kid. Este foi sucedido pelo Dr. Figueirôa que faleceu em 1985 e foi substituído na direção da CBA pelo Dr. José Neto. Com este último, Ernesto trabalhou cinco anos.
Resumindo, Ernesto Nunes trabalhou três anos como ajudante de caminhão (descarregando todo material na mão). Trabalhou três anos como ajudante do motorista Sr. Orlando Silva, que lhe ensinou todo o serviço e também a dirigir o caminhão. Nessa época a empresa pagava a alimentação.
 Em 1952 tirou a carteira de motorista (habilitação). O Sr. Orlando Silva passou a ser chefe de seção, ficando Ernesto como motorista até 1956. Os seus ajudantes foram: Osvaldo Martins, Vitório Nunes, Onofre Reis, Benedito Mariano (Paqueiro), Roque Conceição e José Granito, os quais aprenderam o oficio de motorista.

Ernesto Nunes foi o primeiro motorista a transportar o Dr. Antonio de Castro Figueirôa em 1955, ano em que o diretor assumiu seu trabalho na CBA. Foi com a caminhoneta Ford azul, ano 1954 e a viagem foi a Votorantim para participar de uma reunião.

Transportou também o estudante Eno Lippi, que anos depois viria a ser médico da CBA por mais de quarenta anos. Era em um caminhão tipo "pau-de-arara", sendo que Eno Lippi morava em Mairinque e junto com ele viajava um estudante chamado Antonio de Oliveira, morador em um alojamento da CBA.

Esse mesmo caminhão era utilizado para transportar funcionários da fábrica e, quando necessário, fazia as vezes de carro funerário levando corpos para sepultamento em Mairinque, visto que não havia cemitério em Alumínio.

Puxando pela memória, seo Ernesto faz questão de lembrar de seus chefes na Motorizada: João Javorka Júnior, Giovani Rampini, Valdo Kerche de Menezes, Benedito Lima, Carlos Alberto Cabral, Armando Pucci e Paulo Silva.
Lembra-se ainda dos garotos que trabalharam como fiscais nos ônibus que ele dirigia: José Augusto de Araújo, Antonio Marcos Martins, José Pinto (Quati), Isaías Ribeiro (Neguinho), Pacheco, José (filho da dona Penha), Djalma Holanda de Andrade, José Rosa, Adilson, Darci, Benedito (Boqueirâo) e Sebastião (da Vila Pedágio).

Prosseguindo com suas lembranças Ernesto afirma ter trabalhado com os ônibus de prefixo 05, 07, 09, 35, 36, 61, e 66, transportando funcionários, alunos e professoras. Trabalhou ainda com cinco caminhões Mercedes Benz que transportava alumínio da fábrica para São Paulo e adjacências.

Durante um bom período, de madrugada trazia pães da Padaria Royal (Sorocaba) para a lanchonete da dona Maria Ferraz Machado, instalada nas imediações da Portaria da CBA.

VOLTANDO NO TEMPO
Para quem já ultrapassou a barreira dos noventa anos, o Sr. Ernesto Nunes demonstra ter uma memória privilegiada e vai respondendo as perguntas da filha Nádia, incluindo seus tempos de criança. Às vezes a emoção embarga-lhe a voz e aí a filha entrevistadora dá aquele tempinho necessário para depois voltar ao papo.
E “Seo” Ernesto Nunes continua sua narrativa:
Quando do nascimento de sua primeira filha Neusa, Ernesto e Malvina  ainda moravam na Rua Álvaro de Menezes com o concunhado Manoel Nunes .
 Em 1956 já com a CBA sob o comando do Dr. Figueirôa, transportando-o a São Paulo o mesmo prometeu uma casa para Ernesto e sua família e nesse mesmo ano se mudou para a Avenida Santiago, 5ª travessa, nº 37. Os vizinhos eram: Sr. Rosalvo, Sr. Osvaldo de Freitas e D. Lurdes, Sr. Salvador e Ismênia, Sr. Manoel e dona Penha, Roque Hack e João Hack. Ainda não havia asfalto na rua.
 Morou quatro anos na Avenida Santiago e em 1959 mudou-se para a Rua Gabriel Silva Dias nº 258, onde residira o Sr. Francisco Furtado Vieira com a família. A casa da Avenida Santiago ficou com a sua mãe dona Durvalina mais os dois irmãos, Lázaro e Bercy . o Dr. Figueirôa, a pedido de Ernesto, autorizou que ficassem morando lá. 
Em 1956 o cunhado Nelson Bueno veio do Bairro Carafá para trabalhar na CBA e ficou morando junto com a família Nunes na Rua Gabriel Silva Dias. Nesse ano morre a filha Ida de febre alta. Foi atendida no consultório do Dr. Henrique Nastri, e ela tinha apenas 11 meses. O caixão foi fornecido pela CBA e o sepultamento realizado no cemitério de Mairinque.
Em 1958 o encarregado José Morales o escalou para fazer viagem com ônibus para Sorocaba, pois o funcionário Osvaldo Ferreira havia faltado e dai continuou dirigindo ônibus até 15/11/1981 no serviço de transporte de funcionários, professores e estudantes. Entrava às 4 da manhã e saia às 16 horas. 
Em 1961, casa-se o cunhado Nelson Bueno com Iolanda dos Santos Bueno e em 30/12 vem morar juntos na Rua Gabriel Silva Dias.

OS VIZINHOS NA VILA INDUSTRIAL
Ernesto e família moraram na  Avenida Santiago, 5ª travessa nº 37 - como vizinhos tinha o Rosalvo e família, Osvaldo Freitas, dona Lurdes e família, Manoel e Penha e família, Salvador e Ismênia e família, Roque Haak e João Haak e família. Não havia asfalto na época. Morou de 1956 a 1959.
 Em  1959 mudou-se para Gabriel Silva Dias, 258 – Teve como vizinhos: Domingos Teixeira e Alzira, Orestes de Oliveira e Aurélia, Deusdedt e Neide, José Gomes e Iolanda, Antonio Ceretta e Amélia, Antonio Godim e esposa, Brasilio Nicolau de Moraes e Rosa,  Família Moura, Orlando Vieira e família, Osvaldo Pinto e esposa , Wilson Negrão e Lurdes, Valdemar Dias e esposa e Marcílio Godinho e família. Essa casa ficava próxima ao Clube da AAA. 
Em 1969 mudou para Rua Comendador Pereira Ignácio, 67 - Teve como vizinhos Jovino e Judite Berges, Moacir Silva e família, Nelson e Ana Coelho, Alberto Arantes e dona Lola, João e Eunice, Nicanor e família, José Reguinero e família, Paulo Lima e Conceição Mischek, Sebastião e Terezinha de Souza, José Rosa e Lurdes, José Claretti e e família, Silvano e Silvana Domingues, Salvador Verdum e Páscoa, Jose Carmo e Silvana, Otaviano Ferraz e Benedita, Domingos e Nair,  Teodoro e esposa, Maria Bonfim e família, Osmar Silva e família, Aparecida (sogra do Salim), Sebastião Santos (Seba) e Fátima Santos, Calixto Saiotti e Teresinha, José Claretti e Maria, Durvalina e esposo, José Luiz e Aparecida Cassu, Cleuza Gazonato, Hildeu Franco e Cicera, Paulo Teodoro e família, Helena Padilha e família, Geraldo Saioitti e família.
Para falar sobre pessoas que foram de muita importância na vida de sua família,  o Sr. Ernesto ficou bastante emocionado, citando entre outros: o Dr. Figueroa, o Dr Eno Lippi, o Sr. Paulo Dias, a família Cerioni, a família Taraborelli, o Neco da Padaria, a família Botti. 
Os ônibus da CBA foram desativados com a terceirização do transporte de funcionários e em 1981 Ernesto passa a trabalhar na seção chamada Volante 3 cujo Encarregado era o Sr.Honorato Nogueira, permanecendo até outubro de 1989. Já estava aposentado e fez acordo, desligando-se da Cia. Brasileira de Alumínio e indo fixar residência na vizinha cidade de Mairinque aonde a família comprou uma casa.
É nessa cidade que a família vive até os dias atuais.

AS "MARCAS" DO TEMPO


Para encerrar, o amigo Ernesto pediu à filha Nádia que informasse a respeito do seu estado de saúde (ou a falta dela), afirmando ter passado por três derrames e três infartos, além de uma hemorragia estomacal. Foi operado em 26-05-2000, quando recebeu uma ponte de safena e três mamárias em seu coração.
Teve seqüelas como perda da visão e da audição, esta última, segundo o médico devido aos muitos anos de trabalho dirigindo ônibus que tinham o motor na frente, bem próximo da posição do motorista.
Desejamos que Deus dê ainda bastante tempo para que nosso amigo e ex companheiro de trabalho desfrute da doce companhia de sua esposa, filhos e demais familiares que o amam.

Grande abraço. Foi um privilégio poder fazer esta postagem sobre tão considerado homem que sempre honrou seu nome e o de sua sua família. 


ACERVO FOTOGRÁFICO


VIDA PROFISSIONAL


Ernesto Nunes trabalhou nesta obra
(Hoje o prédio não existe mais)




Sr. João Galli com a esposa dona Ana. Ele foi
chefe de Ernesto na construção do prédio
 do Grupo Escolar


Sr. Mário Lourenço -
Encarregado na obra de
 construção do "Rodovalho"


Sr. Orlando Silva
Motorista com o qual Ernesto 
aprendeu a profissão



Sr. Paulo da Silva - Foi o último
chefe de Ernesto na Motorizada



Sr. Honorato Nogueira - O último
chefe na CBA



Sr. Paulo Dias
Chefe do Escritório


Dr. Antonio Ermírio de Moraes (Presidente),
Engº Antonio de Castro Figueirôa e Engº
José Netto do Prado (Diretores) da CBA


Ônibus da CBA que eram dirigidos por Ernesto
 Nunes e seus com panheiros



Bobinas com cabos para transmissão
de eletricidade - um dos produtos da
CBA que Ernesto transportou
 com caminhão



Igreja de São Francisco de Paula -
onde Ernesto e família praticavam
a vida religiosa



Padaria do Neco - Comerciante amigo
Fornecia o pão nosso de cada dia



Vísta panorâmica da propriedade dos irmãos
Dario e José Cerioni - Comerciantes



Arlindo Taraborelli
Comerciante



Francisco Furtado Vieira
e dona Edize - Vizinhos



José Clareti Soares
Colega de profissão



José Gomes e dona Iolanda
Vizinhos



Sebastião Antonio de Oliveira
e dona Terezinha - vizinhos



Paulo Theodoro dos Santos
Vizinho



Sebastião Aparecido dos Santos
e dona Fátima - vizinhos



Antonio Ceretta
Vizinho



Calixto Saiotti - Colega de
serviço e vizinho



Oswaldo Silveira de Freitas
e dona Lourdes -Vizinho



Salvador Mariano do Nascimento
Vizinho


Dr. Eno Lippi - Médico da CBA
por muitos anos - Foi transportado
por caminhão por Ernesto para
estudar em Sorocaba



ORIGEM


Antigo cemitério do Bairro Carafá.
 Nesse bairro nasceram Ernesto e Malvina




O casal Nunes e outros antigos moradores na 
primeira reunião realizada pela comissão para
 zelar pelo patrimônio que é o antigo cemitério

FAMÍLIA



O casal Nunes em fotos de 1960




Hospital Maria Regina, onde nasceram um
filho e uma filha do casal Ernesto e Malvina
na década de 1960



A Família Nunes na década de 1980



Padrinhos de aliança da neta Daniele



Comemorando Bodas de Ouro



Festa - Bodas de Ouro



Amor para sempre - Ernesto
e Malvina 



Com a filha Neusa



Com a filha Nádia



 Com o filho Miguel



Com a filha Katia


Ernesto, dona Malvina e a família



Companhia Brasileira de Alumínio
(onde Ernesto Nunes trabalhou durante
a maior parte de sua vida...)



Localizada na cidade de Alumínio, SP



E a vizinha cidade de Mairinque, onde Ernesto
desfruta de sua aposentadoria ao lado da esposa

AGRADECIMENTO

Nossos agradecimentos à Nadia Pires, filha do casal Ernesto Nunes e dona Malvina. Casada com Luiz Carlos Pires, ele e ela são nossos ex colegas de trabalho na Cia. Brasileira de Alumínio e ex vizinhos na Vila Industrial nos anos 70.
Esperamos que iniciativa como essa possa servir de estímulo para que outras filhas ou filhos, ou quem sabe netos ou netas venham a entrevistar seus ancestrais e deixar registrados para a História o trabalho abnegado desses abençoados chefes de família e suas proles.

CONCLUSÃO

         Este trabalho pode ser melhorado através de críticas construtivas e sugestões. É assim que tenho feito com todas as postagens publicadas em meu blog.
        Portanto, se você tiver qualquer contribuição a fazer, poderá entrar em contato comigo através do e-mail indicado no final desta publicação, ou por mensagem no Facebook.


SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM


Wilson do Carmo Ribeiro é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante. 
É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba.
E-mail: prebwilson@hotmail.com



COMENTÁRIOS NAS REDES SOCIAIS:

Nadia PiresFicou lindo Wilson Do Carmo Ribeiro, mesmo eu que já li e reli esses fatos me emociono todas as vezes. Meu pai teve uma vida voltada para o trabalho, família , parentes e amigos. Nos ensinou a força do amor e a fé num Deus do Impossível. Em minha fraca memória ficou marcada desde criança, as orações que até hoje faz quando levanta, antes e depois do almoço e ao deitar-se. Esse é o segredo da felicidade " Uma vida em Deus". Fica meu eterno agradecimento de um sonho que o senhor me ajudou a realizar.

Katia Nunes Me fez chorar não de tristeza mas de orgulho e gratidão por ser escolhida por Deus a fazer parte desta família. ..meu pai ensinou agradecer, chegava em casa e ia orar, ensinou com ótimos exemplos. Obrigada Wilson Do Carmo Ribeiro...Não há homenagem melhor.



terça-feira, 5 de janeiro de 2016

ANTIGOS PRESBITERIANOS DE ALUMÍNIO - FOTOS ATUAIS

APRESENTAÇÃO


        
Tive a ideia de elaborar esta postagem com a finalidade de fazer um resgate das fotos dos irmãos e irmãs presbiterianas de Alumínio das décadas de 1950 a 1980, com as quais tivemos a oportunidade de conviver como membros daquela comunidade e que, para a nossa alegria, continuam vivas, salvo raras exceções.
         As fotos, individuais ou familiares obtivemos-las através da rede social Facebook. Algumas famílias ou irmãos que não fazem parte dessa rede podem ter ficado de fora por não ter como obter as fotos.
         Creio que, com este trabalho, encerro minhas postagens sobre nossa amada igreja Presbiteriana de Alumínio, pois sua História e fotos antigas estão em:   http://wilson-ribeiro.blogspot.com.br/2011/03/o-presbiterianismo-em-aluminio.html
         Desejo aos irmãos e irmãs uma boa visualização e que considerem esta postagem como um álbum atualizado dos amados companheiros de jornada.

         “Somente a Deus toda a glória”


FOTOS 



Emilton Ribeiro de Souza e
seu filho Eliseu



Reverendos Luiz Henrique Sobrinho, 
Carlos Alberto Henrique 
e Luiz Henrique Filho e suas 
famílias.



Sidney Henrique e família



Rev. Abner Carneiro e família


Abner Muniz


Ademir Galdino dos Santos e família


Adriana Costa Oliveira


Ana Maria e Vicente Nunes


Ananias Pontes


André Vicente e esposa Mariana


Antenor José de Oliveira


Antonio Marques Jr. (Funinho) e família



Aparecida Castro, esposo e neto


Artur Otávio Ribeiro e esposa Catarina


Rev. Augusto César Pinheiro e família


Aurora S. de Freitas Mischek


Benedito Pio Batista e esposa Dalva


Rev. Bruno Ramos Gonçalves e esposa


Carlos Alberto Machado


Cis Carlos de Campos Medeiros


Claudemir de Moura Ribeiro e esposa Andréa


Presb. Celso Avelino e família


Clovis Brand e esposa Sônia


Daniel Mendes Filho e esposa Zenaide


Daniela Cristina Castro, esposo e pais


Presb. David Alves Machado e família


Débora Lopes


Débora Vieira Antunes Moura


Denilson Batista e esposa Sandra


Dione Vieira  e família


Dinamis



Donária Pontes, filhas Dirce, Célia, Raquel
e neto


Edilton Vilela de Oliveira



Edmir de Moura 


Edna Regina Medeiros


Edna Vilela de Oliveira


Eduardo Alberto de Moura e esposa


Elenice Cavalheiro e família


Presb. Eli de Moura e esposa Eunice



Eliane Ribeiro Gonçalves e esposo Luiz Rodolfo
e filha Mariana



Elias Ribeiro de Souza e esposa Sueli



Eliel Vicente e família



Ernestina Ferrari



João Batista dos Santos e filhos


Elísio Muniz dos Santos e esposa Vera



Elivelton Ribeiro e sua irmã Elisabeth



Ernane Alberto Moura



Ester Oliveira Tomaz



Esther Falcão de Medeiros e suas filhas Tânia.
Lizane, Sandra, Carmem e Mariana



Ester Moura e família



Ester Rodrigues e netinha



Eunice Oliveira Tomaz



Ezer Machado



Elaine Vicente e seu esposo Rev. Ezoil



Fabiana Ramos



Filhos do Presb. Gediel de Moura
(Raquel, Eli, Miriam, Claudia e Diva)



Flávia Zuker, esposo Willy e filha Isabella



Diácono Francisco de Jesus S. Proença e
 parte da família



Rev. Gabriel Risério Lopes e esposa



Presb. Gediael de Moura Gonçalves e família



Gerson Getúlio Machado, esposa Ana
e dona Francisca Holanda



Gislaine dos Santos Ferreira


Gláucia Regina Machado Pedrozo e família


Gumercindo Luccas Nascimento e parte da família


Helena Maria Barbosa e pessoas 
da família


Itamar Machado Martins


Jasiel Ferreira Filho e esposa Ruth


Jerciel dos Santos Ferreira e família


Jeremias Faria


João Galdino dos Santos, dona Anita (esposa)
e Esther Rodrigues


Jocirlei Ferreira Vieira, esposo Adalberto e
o netinho Jônatas



José Luiz Lourenço


Presb. Jovelino Oliveira Tomaz e dona Maria



Leila Ribeiro Moraes e esposo


Lilan Amoréu e esposo Luiz


Loide Tomaz e seu filho


Lucas Machado Filho


Lucia Gutierres e família



Luciana Ribeiro F. Ferreira e família


Presb. Luis Claudio Nascimento e família


Diácono Luiz Elias Pinheiro e família


Marcel Ribeiro e esposa


Marcia Rodrigues Batista


Marcio Vital de Souza e família


Marli Ferrari e filho


Maria C. Borges Simões e família


Pastor Marcos Godinho e esposa Edena


Presb. Marcos Antonio Pinto e família


Marcos Proença e família


Maria Amélia Medeiros


Maria de Lourdes O. Freitas


Meiri Nunes de Oliveira


Milena Rosa e esposo Wagner Giovani


Miriam de Moura e esposo José Luiz


Naiza Rodrigues e filhinha


Nereu Muniz e esposa Eloisa


Neuza Ribeiro Fernandes e  parte 
da família


Olga Teodoro Borges


Oswaldo Vicente


Presb. Oswaldo Vicente Jr. e família


Othon Cisoto Neves e família


Patrícia H. Medeiros Fernandes e família


Placídio José de Lima e família


Rafaeli Ramos e família


Raquel Mendes e família


Raquel de Moura e pessoas da família


Renato Ribeiro Júnior


Renato Ribeiro 


Rosmary Fraga e família


Rosana Magueta e esposo


Rosilaine Oliveira


Presb. Salomão Molinari Lopes e esposa Vera


Samuel Proença e esposa


Siciliano Machado Neto e sua mãe Amélia


Diácono Silas Ribeiro e família


Presb. Silvestre Alves de Oliveira e parte
da família


Thaís Rocha e família


Tercio de Moura e família


Presb. Timóteo G. de Moura e filhos


Valéria Souza Oliveira e família


Valmir Ferrari, esposa Rosa e filha


Walquiria Oliveira e família


Valdir e Vanderli Fidelis Ramos


Waldomiro Ribeiro e família


Presb. Walter de Moura e esposa Maria José


Presb. Wilson Cláudio Ribeiro e família


Presb. Wilson do Carmo Ribeiro e esposa
 Claudineide



PASTORADO


O Reverendo Jeferson Luz Bona, que é filho da
 Igreja Presbiteriana de Mairinque é o atual
 pastor da Igreja Presbiteriana de Alumínio.


CONCLUSÃO

         Este trabalho pode ser melhorado através de críticas construtivas e sugestões. É assim que tenho feito com todas as postagens publicadas em meu blog.
        Portanto, se você tiver qualquer contribuição a fazer, poderá entrar em contato comigo através do e-mail indicado no final desta publicação


SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM



Wilson do Carmo Ribeiro é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante. 
É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba.
E-mail: prebwilson@hotmail.com